DISQUE DENÚNCIA:     | 2253-1177    pactocontraviolencia@niteroi.rj.gov.br

Luciana Bittencourt é Produtora Cultural. Doutora e Mestre em Política Social.

Em julho de 2022, a Escola de Governo de Maricá (EMAR), em parceria com diversas instituições, realizou o curso de extensão nomeado “Direitos humanos e segurança pública: capacitação para a ronda escolar da GM Maricá”. O curso foi uma capacitação para os guardas civis municipais (GMs), especialmente para o Grupamento Ronda Escolar, tendo como foco principal capacitar esses agentes ligados à segurança pública sobre diversos temas que permeiam questões relacionadas ao público infanto-juvenil, tais como: as violências e violações de direitos pertinentes a esse púbico. Além disso, foi objetivo do curso abordar também situações voltadas para a comunidade escolar e seu entorno como um ambiente integrado.

Dentre as temáticas abordadas, destaco a importância da mediação de conflitos com o intuito de se pensar e promover formas ativas para a cultura da paz, construindo e orientando novas formas de agir frente à segurança pública. Além disso, trabalhar esse tipo de mediação – em ambientes escolares – com os GMs é importante para compreender as diversas situações de vivências por alunos, alunas e equipe escolar em um ambiente tensionado por múltiplos grupos sociais.

Verifica-se que após a pandemia de COVID 19, esses tensionamentos aumentaram e o convívio no ambiente escolar passou por diversas mudanças para além da sala de aula. Estar em grupo ficou mais difícil, pois além dos déficits do aprendizado virtual, reunir e integrar novamente os alunos requer do docente habilidades e estratégias para prender suas atenções e tirá-los da tela do celular.

Dessa forma, preparar os GMs para facilitar a comunicação coletiva, a fim de estabelecer confiança para um melhor convívio e para o diálogo era uma tarefa importante para a organização do curso. Além disso, era necessário demonstrar de forma prática como ouvir, ter afeto e empatia diante das diversas abordagens em que o grupamento é chamado, esse é um ponto crucial para a solução de problemas interpessoais.

Por fim, creio que a mediação de conflitos é uma importante ferramenta de comunicação que estabelece a confiança e favorece a autoestima daqueles que a utilizam no espaço escolar, buscando realizar um patrulhamento preventivo que reconheça que, quase sempre, o guarda municipal é o primeiro contato para a saída de uma situação de violação. E para isso é necessário que se saiba acolher, sem julgar e sem deixar que seus valores o afastem da neutralidade necessária a cada situação.

Luciana Bittencourt é Produtora Cultural. Doutora e Mestre em Política Social. Coordenadora de curso de extensão em Direitos Humanos e Segurança Pública da Escola de Governo de Maricá (EMAR)