DISQUE DENÚNCIA:     | 2253-1177    pactocontraviolencia@niteroi.rj.gov.br

Ana Paula Aguiar é Professora, Consultora em Mediação de Conflitos, Facilitadora da comunicação. Possuí experiência em gestão e administração de conflitos no âmbito público e privado.

Para falar de comunicação assertiva é preciso antes entender o conceito. Assertividade é uma característica comportamental, onde o indivíduo possuí a capacidade de se expressar sentimentalmente para com o outro e consigo mesmo, preservando as relações humanas, aprendendo a escutar com empatia e a dialogar com sabedoria. Contudo, Rich e Schroeder (1976) definem assertividade de acordo com critérios funcionais, propondo que se trata de uma "habilidade para procurar, manter ou aumentar o reforçamento em uma situação interpessoal por meio da expressão de sentimentos ou desejos quando tal expressão envolve riscos de perda de reforçamento ou até de punição" (p. 1082).

Na comunicação assertiva é possível dialogar com o outro sem violar a necessidade pessoal de verbalizar pensamentos, anseios e crenças. Nela, é possível ter a habilidade de ouvir um “não” com empatia e, a partir daí, compor um diálogo corajoso que permita uma conexão entre os indivíduos com o qual interage.

Em contrapartida, a assertividade negativa ocorre quando se pede ao outro para mudar o comportamento irritante, de maneira a discordar com a finalidade de defender os seus próprios interesses (Arrindell et al., 1988; 2002; Vagos et al., 2014). Ainda contrastando com a comunicação assertiva, temos: a comunicação passiva e a comunicação agressiva.

Na comunicação passiva, o indivíduo tende a ser indulgente, se comporta com submissão às necessidades do outro, com o intuito de evitar o conflito se submetem às vontades alheias, de forma tímida e retraída. Na comunicação agressiva, o indivíduo dialoga com agressividade nas palavras, apresenta um tom de voz elevado, gestos ameaçadores e posturas intimidadoras. Age com sarcasmo e crueldade com diálogos hostis, não preservando as relações. Diante dessas distinções, fica evidente a necessidade em sermos assertivos,
para que possamos nos comunicar de forma coerente e honesta, validando primeiramente, os nossos sentimentos e a partir disso validar o que o outro sente. Em uma comunicação assertiva é primordial não abandonar a ideia de que fazemos perguntas para escutar e não para responder.

Ana Paula Aguiar é Professora, Consultora em Mediação de Conflitos, Facilitadora da comunicação. Possuí experiência em gestão e administração de conflitos no âmbito público e privado.

1675708205